04-Dez-2020 12:01 - Atualizado em 05/12/2020 08:22
Veterinária

A cura pela natureza

As plantas e o reino vegetal ensinam a curar o corpo e a alma e podem ser utilizadas nos tratamentos dos equinos

horse 2020,
Assine a Horse

A princípio pode ser difícil acreditar que plantas e flores podem curar um cavalo, mas não só estabelecem a cura, como proporcionam uma resistência orgânica mais duradoura, fortalecendo o sistema imunológico dos cavalos.
No caso dos cavalos que passam uma grande parte do tempo em baias, é possível tratar a depressão, ociosidade, solidão, medo, frustação, dentre os distúrbios mais comuns. Dos animais de competição, é possível tratar o perfeccionismo, a cobrança da vitória, o cansaço mental e fisiológico, além de recuperação de traumas por contusões. Dos de haras, sempre à venda, com potros sendo separados das éguas, consegue-se tratar a tristeza do afastamento do “lar” e companheiros de manada, favorecendo o transporte e embarque.

veterinaria 79,
São 38 extratos de flores e um combo, combinação de cinco extratos, como tratamento emergencial
A terapia floral ainda trabalha o restabelecimento da confiança no homem, quando os animais foram maltratados por proprietários anteriores, ajuda a superar diversos traumas, desde meros relâmpagos, passando por contusões a afecções mais graves. Até mesmo a preparação para morte em animais com doenças terminais, a terapia floral consegue ter êxito.
Um cavalo rebelde, com dificuldade de adestramento, um animal comumente chamado de “maldoso”, ou até mesmo um animal com dificuldades de cura com medicamentos alopáticos podem estar precisando de um extrato floral para obter a cura, um estado de equilíbrio, uma concentração e memória nos exercícios de adestramento.

Florais de Bach

São 38 extratos de flores e um combo, combinação de cinco extratos, como tratamento emergencial. Esses florais restabelecem o equilíbrio energético e espiritual do organismo, assim coloca o ser em um estado de autotratamento e autodefesa, conseguindo a “solução” para as disfunções que o acomete.
O tratamento é simples, pois independente do tamanho ou peso do animal, bastam cinco gotas do extrato floral na água de beber ou diretamente na boca, no mínimo quatro vezes ao dia para se ter um tratamento contemplativo e resultados consideráveis.
Pode ser que dependendo do problema, o animal precise de mais sessões e outros extratos para conseguir o resultado chamado perfeito e 100%, mas já se nota bons resultados no primeiro tratamento.
Os extratos florais podem ser usados também em feridas, inflamações, contusões e, até mesmo, nas irritações dermatológicas, afinal estes problemas também não passam de disfunções orgânicas.
Temos além dos florais de Bach, os florais da Califórnia com suas 62 essências, os florais de Minas (Gerais) com suas 67 essências. São elaborados com as flores nativas destes estados, possuem os mesmos objetivos e princípios dos florais de Bach.
Não existe um combo floral pré-determinado, ou seja, para cada patologia e problema é desenvolvido um floral específico. Cada animal é um ser único, com motivos únicos para estarem com determinada patologia ou disfunção orgânica.

Fitoterapia (plantas medicinais)

É a forma de tratamento mais simples e mais natural que possuímos. A ideia é milenar e trata as doenças ou as previne usando “preparados” à base de ervas e seus princípios ativos.
Esta provavelmente foi a primeira terapia com “remédios” instituída no mundo e a “farmácia” é a natureza, a maior que existe. E o homem a descobriu observando os animais que sabiam quais ervas serviam para comer, se tratar para diversas afecções ou as tóxicas.

veterinaria 79,
 A fitoterapia usa os princípios ativos que cada planta possui
O tratamento consiste no uso das propriedades, princípios ativos que cada planta possui. Com eles são preparados efusões, pastas, pomadas, unguentos, cataplasmas, elixiris, enfim, para os mais diversos tratamentos.
Cada planta ou um conjunto delas consegue tratar os mais diversos problemas como, má digestão, melhor absorção de nutrientes, irritações dermatológicas, feridas, contusões, inflamações, infecções, fadiga e em raros casos, tumores. Os fitoterápicos também auxiliam na maior absorção de fármacos sintéticos ou, até mesmo, evitam alguns efeitos colaterais.
No entanto, é importante sempre estar sob a orientação de um profissional competente e especializado na área, sem esquecer que possíveis tratamentos com alopáticos não podem ser abandonados, e, muitas vezes, as terapias podem ser usadas juntas, auxiliando na cura completa do animal. (Artigo publicado na edição 79 da Revista Horse)

Revista Horse
Taciano Couto Guimarães

Taciano Couto Guimarães

é veterinário, formado pela UFMG, especializado em plantas medicinais pela UFLA, clínico veterinário e terapeuta floral para animais

Deixe seu Recado