07-Jun-2018 15:38 - Atualizado em 04/07/2018 17:47
polêmica

ABQM transfere Nacional para Londrina

Decisão de levar campeonato de Avaré (SP) ao Paraná foi influenciada por Liminares da Justiça que suspenderam evento na cidade paulista

abqm, 2018, imprensa,
ABQM
A Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto Milha (ABQM) anunciou nesta semana a transferência do Campeonato Nacional da raça, há anos realizado em Avaré (SP), para Londrina (PR), no Parque Governador Ney Braga, de 14 a 22 de julho.. A mudança já era reivindicada havia tempo por criadores da região e ganhou força com a recente decisão judicial, por meio de liminar, que impediu a realização de provas de laço em Avaré durante o Congresso Nacional, realizado em Abril.

A ABQM divulgou que a decisão foi tomada por unanimidade pelo Conselho Administrativo da entidade. Em nota, o diretor Régis Fatri apresentou os motivos que levaram à mudança e não escondeu o descontentamento com a postura de políticos e representantes públicos da cidade de Avaré diante do impasse criado por uma ONG (Organização Não Governamental ) ligada ao "Berm-estar" animal e abraçada pela Justiça local. "A razão principal para não podermos realizar o Nacional de 2018 em Avaré  foi determinada pela Justiça baseada na cidade, ao proibir as provas de Laço", destaca.

Segundo ele, a razão secundária, mas não menos importante, foi a incapacidade do poder público e empresários de não conseguirem se articular para sensibilizar o Ministério Público e a Justiça de que essa decisão judicial era ruim para a ABQM e péssima para a economia do município. "Principalmente para o setor de serviços e até para os empregos eventuais gerados diretamente pelo evento", enfatizou.

Fatri também lembrou todo o investimento que foi realizado pela ABQM no parque de Avaré, que previa, inclusive, a construção de mais mil baias no recinto. "É claro que as facilidades que encontramos em Avaré, por sua centralidade regional e por tudo o que investimos naquele parque, ao longo de uma década (a partir da gestão de Paulo Farha na presidência da ABQM), nos dava um conforto magnífico, por essa razão, havíamos acabado de aprovar na Diretoria e no Conselho (por unanimidade), a construção de mil baias de alvenaria no recinto, num prazo recorde de poucos meses", escreve na nota. "Infelizmente, essa posição dos pústulas que nos atacam de ferirmos os bons tratos animais sensibilizaram a Justiça de Avaré, que não se convenceu de nossos argumentos e até da solicitação que colocassem fiscalização oficial da proteção animal em qualquer uma das nossas 19 modalidades, não somente do Laço", acrescenta. 

O diretor do Conselho também afirma que a ABQM segue lutando na Justiça para que se reverta essa proibição injustificada, a fim de viabilizar o retorno a Avaré. "Essa é a posição da ABQM, o resto é besteira, é intriga, é a velha prática da fofoca e da prática da leviandade. É bom enfatizar que nós “não saímos de Avaré”; a ABQM foi impedida judicialmente de realizar em Avaré nossos eventos oficiais em sua plenitude", finaliza.

Durante a semana, o assunto tomou conta de redes sociais e até virou notícia na imprensa local (reprodução acima), que já prevê prejuízos maiores à cidade, inclusive com algumas ações paralelas que já correm o risco de serem canceladas. Uma delas é o curso de equoterapia da Apae local, custeado pela ABQM. Com relação a esse caso específico, a associação soltou um nota de esclarecimento sobre os procedimentos que serão adotados. Veja abaixo:

Nota da Diretoria Executiva sobre o Projeto EquoABQM em Avaré

Considerando a preocupação manifestada pela APAE de Avaré, em relação à continuidade do Projeto EquoABQM na cidade, decorrida da mudança do local do 41º Campeonato Nacional, a Diretoria Executiva da ABQM – Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha – vem informar a todos os interessados, membros da entidade e familiares dos 13 praticantes, que seguiremos apoiando o tratamento de todos.

Atualmente, a equipe do projeto que atende a cidade – 2 fisioterapeutas, 2 pedagogas, 1 psicóloga e 2 auxiliares – é custeada com recursos disponibilizados pela Associação. A iniciativa visa melhorar a qualidade de vida e reabilitar pessoas portadoras de necessidades especiais através da prática da Equoterapia, que aumenta a capacidade e a potencialidade física, psíquica, educativa e social.

O projeto, lançado em 2013 pela ABQM, além de fornecer recursos financeiros aos centros de Equoterapia, previamente selecionados, oferece apoio técnico aos núcleos contemplados, que atendem todos os praticantes gratuitamente. Ações de responsabilidade social como esta, estão no DNA da nossa Associação e seguirão sendo fomentadas junto a todas as entidades parceiras.

Edilson de Siqueira Varejão Júnior
Presidente da Diretoria Executiva da ABQM

revista Horse
Deixe seu Recado