04-Mai-2020 12:01
Treinamento

Afinal, o que é Adestramento?

Muita gente leiga ainda confunde shows de picadeiros com a arte de desenvolver os movimentos naturais de cada animal

,
Assine a Horse

Essa é uma pergunta que ouço ao longo de muitos anos, por leigos, assim como por diversas pessoas simpatizantes dessa modalidade de equitação.
O leigo costuma fazer uma ligação do termo adestramento com aquilo que já viu em shows, isto é, cavalos treinados, condicionados a uma série de “truques”. Além disso, tenho visto inúmeros vídeos com tais cavalos adestrados, que as pessoas, por falta de conhecimento, elogiam o “show”, mas desconhecem os meios utilizados para realizar tais exercícios.
A modalidade Adestramento está longe de ser considerada como o aprendizado de truques que, muitas vezes, não buscam favorecer o cavalo, física e mentalmente, cujos movimentos artificiais estão desconectados da escala de treinamento, ferindo os princípios da boa equitação.
Não estou generalizando, nem tampouco elevando críticas a alguns talentosos e criteriosos treinadores pelo mundo, que tem por finalidade esse tipo de entretenimento ao público. Tenho respeito e admiração por esses que, além das técnicas utilizadas, priorizam o bem-estar dos seus animais.
,
Ndzinji e Zeus o adestramento, em níveis mais altos do ensino, objetiva desenvolver o cavalo como um todo, melhorando sua capacidade de usar o seu corpo e sua mente
A primeira coisa que um cavaleiro-treinador precisa aprender, se ele pretende tornar-se um artista, é a arte da descontração e do relaxamento.
O Adestramento, ou seja, a arte de bem montar um cavalo, busca o desenvolvimento dos talentos naturais de cada cavalo, de tal maneira que o desejo do cavaleiro começa a se tornar o seu próprio desejo. O cavaleiro-treinador de ensino clássico é ciente da importância da construção de uma correta base de ensino e só apresenta exercícios avançados quando o cavalo está apto, ou seja, já possui os pré-requisitos necessários para passar para outra fase.
O adestramento é conhecido como “DRESSAGE”, palavra de origem francesa. Do verbo “dresser”, é uma das três modalidades equestres olímpicas. É regulada pela Federal Equestre Internacional (FEI) e, no Brasil, pela Confederação Brasileira de Hipismo, a CBH.
O objetivo primordial da dressage é auxiliar o cavalo a desenvolver e a executar movimentos naturais. Os recursos e as técnicas empregadas para esse fim estão enquadradas na “equitação natural”.

Vejamos o que diz o artigo 401 do Regulamento da CBH: onde pode-se constatar os seguintes princípios gerais e objetivos do Adestramento:
1. 0 objetivo do Adestramento é o desenvolvimento do cavalo, de modo a torná-lo um atleta feliz, através de uma educação harmoniosa. Em consequência, o cavalo se mostra calmo, elástico, descontraído e flexível, mas também, confiante, atento e impulsionado, realizando, assim, um perfeito entendimento com seu cavaleiro.
Estas qualidades são demonstradas pela:
Franqueza e regularidade dos andamentos;
Harmonia, leveza e facilidade dos movimentos;
Leveza do antemão e engajamento dos posteriores, oriundos de uma impulsão sempre desperta;
Aceitação da embocadura, com submissão/permeabilidade, sem qualquer tensão ou resistência.
2. O cavalo dá, assim, a impressão de realizar por sua própria vontade o que lhe é solicitado. Confiante e atento submete-se, generosamente, ao controle de seu cavaleiro, mantendo-se perfeitamente direito em qualquer movimento em linha reta e, encurvando-se, adequadamente, quando se move em linhas curvas.
3. Seu passo é regular, livre e sem constrangimento. Seu trote é livre, elástico, regular, sustentado e ativo. Seu galope é unido, leve e equilibrado. Suas ancas nunca ficam inativas ou preguiçosas. O cavalo responde a mais leve indicação do cavaleiro e, assim, dão vida e brilho a todo o resto de seu corpo.
4. Em virtude de uma impulsão desperta e da elasticidade de suas articulações, livre do efeito paralisante de resistências, o cavalo obedece voluntariamente e sem hesitação e, atende às diferentes ajudas calmamente e com precisão, manifestando, tanto físico como mentalmente, um equilíbrio natural e harmonioso.
5. Em todo seu trabalho, inclusive no alto, o cavalo deve estar “na mão”. Diz-se que um cavalo está “na mão” quando o pescoço está mais ou menos elevado e arredondado, conforme o estágio de seu treinamento e o alongamento ou reunião da andadura e, aceita a embocadura com um contato leve e consistente, macio e submisso. A cabeça deve conservar-se numa atitude fixa e, em regra geral, o chanfro ligeiramente à frente da vertical, com a nuca flexível e com o ponto mais alto do pescoço e, o cavalo não deverá oferecer qualquer resistência ao cavaleiro.
6. A cadência é mostrada ao trote e no galope e, é o resultado da adequada harmonia que um cavalo demonstra quando se move com acentuada regularidade, impulsão e equilíbrio. A cadência deve ser mantida em todos os diferentes exercícios ao trote e ao galope e, em todas as variações destas andaduras.

Partindo dos princípios citados acima, os cavalos que praticam o Adestramento devem seguir um programa de treinamento lógico e sistemático, baseado numa escala de treinamento, com degraus, cuja “subida” só deve ser feita quando o cavalo estiver consolidado na fase em que se encontra. Isso deverá ser respeitado e desenvolvido durante toda a vida de um cavalo de sela.
Quando os cavalos se apresentam, devem mostrar-se saudáveis, educados, com energia canalizada para a beleza do exercício, com ajudas sutis do cavaleiro, como se estivessem executando as figuras por vontade própria. Deve ser belo, elegante, agradável de se admirar, acontece quando admiramos uma obra de arte viva!
O Adestramento, em níveis mais altos do ensino, objetiva desenvolver o cavalo como um todo, melhorando sua capacidade de usar o seu corpo e sua mente. É uma ginástica controlada, feita através de uma refinada comunicação do cavaleiro com o cavalo, é um trabalho em prol da beleza, onde o cavaleiro torna-se o pivô central do movimento do cavalo, cujo resultado esperado é uma profunda conexão entre eles. (Artigo publicado na edição 65 da Revista Horse)

Revista Horse
Ndzinji Pontes

Ndzinji Pontes

Cavaleiro angolano radicado no Brasil, titular da Coudelaria Função em Ibiúna, SP, é um dos mais respeitados treinadores de adestramento do Brasil, recebendo em seu centro de treinamento os mais importantes cavalos da modalidade no Brasil.

Deixe seu Recado