27-Jul-2021 23:52 - Atualizado em 02/08/2021 19:56
Tóquio 2020

Alemanha confirma hegemonia no Adestramento e conquista seu 14º Ouro

As amazonas Dorothee Schneider, Isabell Werth e Jessica Von Bredow-Werndl no alto do pódio (foto). EUA ficaram com a Prata e Grã-bretanha, Bronze

undefined,
t

 Alemanha confirma hegemonia no Adestramento e conquista seu 14º Ouro
1/10
 Alemanha confirma hegemonia no Adestramento e conquista seu 14º Ouro
2/10
 Alemanha confirma hegemonia no Adestramento e conquista seu 14º Ouro
3/10
 Alemanha confirma hegemonia no Adestramento e conquista seu 14º Ouro
4/10
 Alemanha confirma hegemonia no Adestramento e conquista seu 14º Ouro
5/10
 Alemanha confirma hegemonia no Adestramento e conquista seu 14º Ouro
6/10
 Alemanha confirma hegemonia no Adestramento e conquista seu 14º Ouro
7/10
 Alemanha confirma hegemonia no Adestramento e conquista seu 14º Ouro
8/10
 Alemanha confirma hegemonia no Adestramento e conquista seu 14º Ouro
9/10
 Alemanha confirma hegemonia no Adestramento e conquista seu 14º Ouro
10/10

 

A forte equipe da Alemanha, formada exclusivamente por amazonas, confirmou sua hegemonia no Adestramento e conquistou sua 14ª quarta medalha de Ouro em Olimpíada. No Grande Prêmio Especial, realizado na noite de Tóquio, no Equestrian Park Baji Koen, na Tokyo2020, somou 8.178,5 pontos, ficando 431,5 à frente dos Estados Unidos, que ficaram com a Prata somando 7.747 pontos. A Grã-Bretanha, da bi-campeã olímpica Charlotte Dujuadin, que até o final dos segundo bloco estava em segundo lugar, acabou ficando com a Bronze, com 7.723. A sequência dos demais cinco colocados ficou da seguinte maneira: Dinamarca (7.540), Holanda (7.479,5), Suíça (7.210), Espanha (7.198) e Portugal (6.965,5). Veja quadro abaixo:

final equipes, adestramento, tokyo 2021, 2021, imprensa,
Final Equipes

Com a Alemanha confirmando-se como a grande potência do Adestramento mundial, as expectativas da arena vazia do Equestrian Park ficaram mesmo com a disputa pelo segundo e terceiro lugar, que só foi definida depois do intervalo de uma hora dos dois primeiros blocos. Até aí, já estava evidente que só algo muito fora do normal tiraria mais uma medalha de Ouro dos germânicos, sua 14ª, em 20 edições da modalidade em jogos olímpicos. As experientes Dorothee Schneider/Showtime FRH, com 80,608%, e Isabell Werth/Bella Rose 2, com 83,298%, já tinham dado uma vantagem, com quase 286,5 pontos à frente da Grã-Bretanha, que vinha em segundo. Bastava apenas a novata do time olímpico Jessica Brendow-Werndl/TSF Dalera confirmar os números que a colocaram como a melhor nota da fase qualitativa, 84.379% para dar mais um Ouro a esse supercampeão time alemão. Dito e feito. Não só fez, como melhorou ainda mais com a nota 84.681%, mostrando que é uma forte candidata ao Ouro Individual, que será definido na noite desta quarta-feira (28/7),  5h da manhã no fuso de Brasília.

Bi-campeã olímpica na sela do fabuloso Valegro (2012, em Londres, e 2016,no Brasil), a inglesa foi com Gio, sua nova montaria, tentar repetir e melhorar a boa reprise da fase qualificativa, quando tirou 80.969%. Acabou ficando abaixo da casa dos 80%, com 79,544%, enquanto que a norte-americana Sabine Schut-Kery/Sanceo 81,596%, colocou os EUA com a Prata. Com o resultado, os norte-americanos ficaram com a Prata, e a Grã-Bretanha com a Bronze, invertendo os lugares do pódio da Rio 2016. (Veja AQUI)

A exceção do interesse por saber os primeiros lugares do pódio, a expectativa de muitos dos brasileiros que "madrugam" para acompanhar as provas por canais alternativos de transmissão estava focada no desempenho dos cavalos Lusitanos do time Português, que, apesar da última colocação entre os oito melhores, projeta cada vez mais a raça sobre a qual tem-se muitos investimentos no Brasil, em especial para a linhagem de Adestramento. Vale lembrar que o cavaleiro João Victor Oliva, 25 anos, quebrou novos recordes nacionais na Olimpíada Tokyo 2020 na sela de Escorial Horsecumpline (Veja AQUI) um garanhão de 12 anos recordista em fazer filhos direcionados à modalidade.  

E foi justamente um animal do mesmo ferro Horsecumpline que tirou a melhor nota entre os três patrícios, com Fogoso Horsecumpline somando 74.726%, conduzido pelas habilidosas rédeas do cavaleiro Rodrigo Torres, muito conhecido entre os principais criadores e admiradores da raça pelo Brasil. Na Live realizada na manhã do dia 27/7 pela revista Horse (veja AQUI), o criador José Victor Oliva, da Coudelaria Ilha Verde e pai de João Victor, já havia comentado que esperava mais da dupla Rodrigo/Fogoso, 72,624%. " É um cavalo maravilhoso conduzido por um cavaleiro excelente", disse o criador. A amazona Maria Caetano, com Fenix de Tineo, ficou abaixo dos 70%, especificamente 68,693%, e João Miguel Torrão, na sela de Equador, com a média de 68,298%.

Os 18 melhores conjuntos voltam à pista a partir das 17h30 de Tóquio, 5h50 da manhã no Brasil. Dificilmente as alemãs ficam sem pódio. A dúvida é saber quantos degraus vão subir, com atenção especial à novata do Time olímpico,  Jessica Brendow-Werndl/TSF Dalera, que tem sido o grande destaque entre essas excepcionais amazonas.  

Da boa organização dos japoneses, só faltou mesmo o público para acompanhar o galope da vitória, mais uma vez com a maioria de amazonas e apenas dois cavaleiros. Nesta quarta-feira, 28/8, os melhores 18 conjuntos voltam à pista para o Free-Style que definirá o pódio Individual.

Revista Horse/FEI/Shannon Brinkman/FEI/EFE/Kai Försterling/FEI/Christophe Taniere
Deixe seu Recado