09-Nov-2021 10:24 - Atualizado em 10/11/2021 10:33
Eleição CBH

CBH marca nova eleição

Pleito para escolher novo presidente e vice será 23 de dezembro. Prazo para inscrição das chapas concorrentes vai até dia 23 de novembro

banners novos nov-2021, 2021, banners,
Banners novos nov-2021

Acatando a determinação judicial,  o presidente da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH), João Loyo de Meira Lins, publicou nesta terça-feira (9/11), edital convocando Assembleia Geral Ordinária para eleição do novo comando na entidade. O pleito está marcado para o dia 23 de dezembro, às 14h, no Prodigy Hotel, no Rio de Janeiro. O prazo para inscrição das chapas concorrentes vai até 23 de novembro (Veja íntegra AQUI)

A nova eleição da CBH atende uma decisão da Justiça. Na última quinta-feira (4/11), o desembargador César Cury, da 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, indeferiu o recurso impetrado pela diretoria da CBH, e confirmou decisão em primeira instância de nulidade da eleição realizada em 29 de janeiro, com a deposição da atual diretoria.

No novo pleito serão eleitos respectivamente presidente e vice-presidente que comandarão a entidade máxima do hipismo brasileiro até 2024. Conforme estabelece o artigo 39 do Estatuto da CBH, as candidaturas deverão ser apresentadas de acordo com o processo eleitoral nº007/21, o qual, junto com a ordem do dia, podem ser acessadas pelo site da CBH (Veja AQUI). 

O edital diz que poderão participar da assembleia 19 Federações, respectivamente dos estados de Alagoas, Amazonas, Bahia, Cerará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e ainda a Federação Hípica de Brasília. Também estão aptos a votar sete representantes de atletas: Eduardo Xavier Barreto, Jorge Luiz Figueiredo Passamani, José Roberto Reynoso Fernandes Filho, Márcio Apell Cheuiche, Marcos Fernandes Alves, Sérgio Castany Del Fiori e Yara do Amaral Fernadnes.

O edital alerta que eventuais inconsistências na documentação e na regularidade das entidades, no cumprimento dos requisitos necessários nos temos do Art. 32º, deverão ser corrigidas até o dia 10 de dezembro de 2021, sob pena de vedação da participação da entidade na referida assembleia. Além do atual presidente da CBH, assinam o edital de convocação: Claudio Gastão da Rosa Filho, presidente da FCH; Almir Antônio Lustosa Vieira, presidente da FHB; Maria Luiza Dourado paiva, presidente da FEP e Rodrigo Otávio Kost, presidente da FPH.

Resumo do imbróglio 

As polêmicas em torno da eleição da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) vêm se estendo desde o ano passado, quando a Comissão Eleitoral impugnou as duas chapas concorrentes na assembleia realizada no dia 30 de novembro de 2020. Na ocasião, concorriam ao pleito as chapas "Hipismo para Todos", composta por Francisco José Mari (Kiko Mari) e João Loyo de Meira Lins, e "CBH Forte e Ativa", com Bárbara Laffranchi e Fernando Sperb (Fêfo), como candidatos a presidente e vice, respectivamente. "É melhor começar tudo de novo, de uma forma mais tranquila, mais correta, do que ter uma intercorrência que possa prejudicar dois, três anos" de gestão". justificou à época o presidente da Comissão Eleitoral,  Alexandre Beck Monglilhott (Veja AQUI).

Depois disso, deu-se início a uma série de confrontos envolvendo os dois grupos da disputa, até que uma nova assembleia foi realizada em 29 de janeiro de 2021. Nesse meio tempo, a Federação Paulista de Hipismo (FPH), a maior das filiadas da Confederação, chegou a ter sua participação no pleito impugnada pela Comissão Eleitoral, sob a alegação de que teria "pendência financeiras" com a entidade-mãe (Veja AQUI e AQUI). Às véspera da eleição, em 26 de janeiro, uma Liminar da Justiça do Rio de Janeiro autorizou a FPH a participar da eleição (Veja AQUI).

No dia da assembleia eleitoral, entretanto, novas divergências de entendimento sobre as determinações do Estatuto da entidade acabaram por gerar mais polêmicas, com os membros da chapa "CBH Forte e Ativa" abandonando a assembleia oficial e realizando uma "eleição paralela" nos corredores do Prodigy Hotel, onde foi realizado o pleito (Veja AQUI).

Depois disso, uma nova série de decisões liminares de primeira e segunda instâncias transformaram a gestão da Confederação em um campo de instabilidade permanente. O grupo de oposição da chapa "CBH Forte e Ativa" chegou até a conseguir uma decisão favorável para realizar um novo pleito em 12 de maio, mas que foi invalidado por um decisão do Tribunal de segunda instância, poucas horas antes de sua realização (Veja AQUI).

Entre tantos embates e polêmicas, o presidente eleito Francisco José Mari (Kiko), da chapa "Hipismo para Todos", renunciou ao cargo em 11 de agosto, deixando o seu vice, João Loyo, no comando da entidade (Veja AQUI).  A medida gerou novos questionamento na Justiça, pedindo novas eleições, mas nada efetivamente mudou.

A decisão final de primeira instância só foi sair em 28 de setembro, quando o juiz João Marcos de Castello Branco Fantinato, titular da 34ª Vara Cível do Estado do Rio de Janeiro, determinou a anulação da eleição da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) realizada em 29 de janeiro deste ano. A CBH chegou a entrar com recurso na instância superior, mas sentença foi referendada pelo desembargador César Cury, da 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, no último dia 4 de novembro, que indeferiu o recurso da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH, e confirmou decisão em primeira instância de nulidade da eleição realizada em 29 de janeiro, com deposição da atual diretoria e determinação para a realização de novo pleito, marcado agora para 23 de dezembro. 

Publicação atualizada em 16h05 de 9/11/21

Revista Horse
Deixe seu Recado