30-Nov-2020 17:49 - Atualizado em 21/12/2020 11:07
Eleição CBH

Conselho impugna chapas e adia escolha de novo presidente da CBH

Nova data será definida após avaliação de recursos. Assembleia realizada no Rio de Janeiro elegeu apenas cinco membros do Conselho de Administração

horse, 2020, banners,
Horse

dia da eleição, eleição cbh, , Marcelo Mastrobuono
Processo seguiu protocolo de distanciamento e uso de máscarasMarcelo Mastrobuono
A esperada eleição para definir o novo comando da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) acabou sendo protelada. Na assembleia realizada na tarde desta segunda-feira (30/11), no espaço de convenções do Prodigy Hotel, no Rio de Janeiro, o Conselho Eleitoral da CBH decidiu impugnar as duas chapas concorrentes, encabeçadas por Bárbara Laffranchi (CBH Forte e Ativa) e Francisco José Mari (Hipismo para Todos), abrindo prazos para a apresentação de recursos. Com isso, o pleito serviu apenas para os representantes das federações e dos atletas elegerem cinco membros do Conselho de Administração (veja os eleitos no box).

O processo eleitoral começou às 14h, com a participação de representantes de 18 federações e sete cavaleiros representando os atletas. Logo no início, a mesa apresentou seu parecer sobre os pedidos de impugnação feitos diretamente à Comissão Eleitoral para candidatos ao Conselho de Administração. Também foi levantada a questão de a eleição estar sob judice, já que há processo judicial correndo em diferentes instâncias. Com divergências entre advogados e representantes das duas chapas, a Comissão formada por Alexandre Beck Monglilhott (presidente), Bichara Abidão Neto e Rodrigo Machado de Moraes pediu um tempo para analisar as questões. 

Eleitos para Comissão
de Administração

Gabriel Khoury - Sudeste
Josenilton  Oliveira Santos Neves- Norte e Nordeste
Gustavo de Melo Cuba - Centro-oeste
Cláudio Gastão da Rosa Filho - Sul
Antônio Manoel Lopes Sanches - Independente

O representante da Federação Paranaense de Hipismo, Rodrigo Otávio Kost, chegou a sugerir que a continuidade ou não do processo fosse decidida pelos próprios representantes das federações e dos atletas, já que estavam presentes. A Comissão eleitoral pediu então que todos os presentes, incluindo os candidatos a presidente e vice, deixassem a sala, permanecendo apenas quem tinha direito a voto. Cerca de 25 minutos mais tarde, foram chamados à sala os candidatos ao Conselho de Administração, uma novidade que passa a fazer parte efetivamente da próxima gestão, embora tenha sido instituído em 2018. 

Passados cerca de 30 minutos, abriram-se as portas e foi anunciado a impugnação das chapas "CBH Forte e Ativa", composta por Bárbara Laffranchi com o vice Fernando Sperd (Fêfo), e a "Hipismo para Todos", encabeçada por Francisco José Mari (Kiko) e seu vice João Loyo, cancelando a eleição majoritária e abrindo prazo para apresentação de recursos. No mesmo momento, foram anunciados os membros eleitos do Conselho de Administração.

À reportagem da Revista Horse, que acompanhou todo o processo diretamente do Rio de Janeiro, o presidente do Conselho Eleitoral, Alexandre Beck Monglilhott, reconheceu que o adiamento irá gerar novos custos, mas afirmou que "é melhor começar tudo de novo, de uma forma mais tranquila, mais correta, do que ter uma intercorrência que possa prejudicar dois, três anos" de gestão. "A gente vem vindo de um ciclo bacana, com medalhas no Pan-americano do Peru, e é preciso que a gente preserve a modalidade", justificou.

O candidato a vice da chapa "CBH Forte e Ativa", Fernando Sperb, o Fêfo", que além de cavaleiro é advogado, lamentou muito a decisão do adiamento da eleição. "O que aconteceu foi um desrespeito total ao hipismo, ao esporte e às pessoas que estiveram aqui. Impediram o prosseguimento da eleição, não deixaram que as pessoas manifestassem seus votos. Porque nós temos a maioria de votos e se tornou nítida a intenção de não permitir que não saísse a votação para não perderem. Saímos daqui frustrados", afirmou.

O vice da chapa "Hipismo para Todos", João Loyo, que também é advogado, afirmou que quem "perde com isso é o hipismo", atribuindo a culpa à chapa adversária. "A partir do momento que a outra chapa judicializou, entrou por um caminho que agora será efetivamente cancelada e fazemos outro pleito limpo. Espero, sem esse tipo de argumento, que vença no voto, sem apelar para a justiça. Ou vai virar esse imbróglio judicial que eu menos espero", disse.

Veja as entrevistas realizadas pela reportagem da Revista Horse  logo após o encerramento da Assembleia:

.

 

Revista Horse
Deixe seu Recado