06-Nov-2021 12:00 - Atualizado em 06/11/2021 12:21
Olimpíadas

Hipismo estará fora do Pentatlo Moderno nas Olimpíadas de 2028

Medida foi anunciada nesta semana, como resposta à polêmica gerada com treinadora alemã expulsa da Tokyo 2020 por agredir um cavalo

banners novos nov-2021, 2021, banners,
Banners novos nov-2021

O hipismo não fará mais parte do Pentatlo Moderno a partir dos Jogos Olímpicos de Los Angeles, que serão realizados em 2028. A decisão foi anunciada pela União Internacional de Pentatlo Moderno (UIPM), nesta quinta-feira (5/11). Com isso, inicia-se agora um processo de consulta para a definição de uma modalidade substituta.

A decisão da UIPM foi motivada pelo incidente envolvendo a treinadora de Pentatlo da Alemanha, Kim Raisner. Durante os Jogos Olímpicos de Tóquio, o cavalo que era conduzido pela amazona Anikka Schleu se recursou a saltar um obstáculo e, irritada, a treinadora desferiu um soco no animal. Imediatamente após o incidente, o Comitê Olímpico Internacional (COI) exigiu uma atitude enérgica da UIPM, sob pena de chegar excluir a modalidade definitivamente do programa olímpico. A treinadora perdeu as credenciais e foi expulsa da competição de Tóquio.

A disputa do Pentatlo Moderno ocorre com um cavalo que não tenha sido utilizado em outras provas, onde o cavaleiro(a) têm tempo máximo de 20 minutos para ambientar-se com o animal e concluir o percurso. A medida adota pela UIPM agitou o universo Olímpico nesta quinta-feira e a expectativa de que possa, a longo prazo, afetar o próprio Hipismo dentro dos Jogos Olímpicos.

Histórico

A modalidade Pentatlo Moderno passou a fazer parte dos Jogos Olímpicos a partir de 1912, realizado em Estocolmo, na Suécia. Nos próximos Jogos Olímpicos que ocorrem em Paris, em julho de 2024, já serão notadas alterações na estrutura do esporte. O Pentatlo Moderno será realizado num tempo de 90 minutos, em um estádio específico, distinto do formato atual que é dividido em dois dias.

Segundo especialistas, a decisão da UIPM tem objetivo claro de acalmar a irritação e críticas contundentes despertadas pela imprensa, opinião pública e principalmente por entidades de defesa dos animais. Na época, a Organização Não Governamental (ONG) Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais (Peta) encaminhou uma carta ao COI. Num trecho da missiva a ONG cita: “Ganhar uma medalha não é desculpa para machucar animais. Os esportes evoluem com o tempo e já passou da hora dos Jogos terminarem com a exploração dos cavalos”.

Continue Lendo...

Revista Horse 132
Assinante, clique aqui para ler mais sobre este assunto na versão digital da Revista Horse.Se você ainda não é assinante, clique aqui e faça agora mesmo sua assinatura.O jornalismo de qualidade tem o seu valor. Pretigie a mais tradicional publicação equestre do Brasil!
Revista Horse
Deixe seu Recado