18-Jul-2018 14:31
Exclusivo

Horse credencia equipe ao WEG 2018

Pela terceira edição consecutiva, Revista Horse fará cobertura exclusiva na Copa do Mundo dos cavalos

banners,
Banners

A Revista Horse, a exemplo do trabalho exclusivo que realizou em 2010, no Kentucky (EUA), e em 2014, na Normadia (Fra) fará a cobertura total do evento, com equipe própria. Neste ano, a novidade serão os boletins diários direto de Tryon, por meio do site e redes sociais, com informações exclusivas do evento, em especial das performances dos brasileiros. Os leitores da Horse também poderão acompanhar toda a definição das equipes brasileiras e todas as informações sobre a Copa do Mundo dos Cavalos nas próximas edições.

O World Equestrian Games (WEG), conhecido como a Copa do Mundo dos Cavalos, é realizado Pela Federação Equestre Internacional (FEI) a cada quatro anos e nesta 8ª edição será realizado em Tryon, na Carolina do Norte (EUA), de 10 a 23 de setembro. Ao todo são oito modalidades (Salto, Dressage, Concurso Completo de Equitação -CCE, Rédeas, Enduro, Volteio, Atrelagem e Paraequestre), com representantes de 70 países e um público estimado de 500 mil pessoas.

O Brasil, a exemplo de edições anteriores, participará em pelo menos sete modalidades, ficando de fora apenas na Atrelagem. O processo de seleção das equipes vem sendo realizado desde o ano passado, sob a coordenação da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH), em parceria com as entidades representantes de cada modalidade.

Cada modalidade é disputada individualmente e em equipes, cada uma com quatro conjuntos. Este ano, diferente das edições anteriores, cada país poderá até levar cinco conjuntos, sendo quatro por equipe e uma para as disputas individuais. O Salto é onde o Brasil tem maiores chances de medalha, como ocorreu com Rodrigo Pessoa em 1998, em Roma (Ita). Entre os melhores resultados, o Salto pegou o quarto lugar individual, também com Rodrigo Pessoa, e por equipe, em Lexington, Kentucky (EUA), em 2010. 

Para a edição deste ano as equipes ainda estão em processo seletivo, com previsão para ser concluído no final de julho e início de agosto. O certo é que os atletas e cavalos do salto deverão ser selecionado entre conjuntos que disputam as seletivas no Exterior. A composição final da equipe será definida pela CBH.

A equipe de Rédeas, única modalidade western a participar do WEG, é a única que já definiu pelo menos dois conjuntos que integrarão o Time Brasil. Na seletivas organizadas pela Associação nacional dos Cavalos de Rédeas (ANCR),  Roberto Jou classificou o cavalo crioulo F5 Licurgo Tapajós, da Cabanha Marca dos Santos, e Marcelo Almeida, o Quarto de Milha  Mohagany Whiz. As demais três vagas (um individual e dois por equipe) serão compostas por conjuntos brasileiros que disputam as seletivas nos EUA.

Para o presidente da ANCR, Francisco Moura, o Brasil vai para Tryon este ano para “disputar medalha”, mesmo tendo como concorrentes diretos os americanos, soberanos na modalidade original de seu país. Moura afirma que seu otimismo se justifica pelas boas notas que brasileiros têm obtido em campeonatos nos EUA, que o colocam em posição de igualdade. “Na eletiva aqui tivemos um empate dos dois primeiros conjuntos com 74 pontos, dados por um juiz europeu”, comparou.

Independe de resultados, o Brasil vem evoluindo cada vez mais e a Copa do Mundo dos Cavalos despertando cada vez mais interesse do público que aprecia cavalos, tanto presencialmente quanto pela mídia. Os interessados em mais informações sobre o WEG 2018 podem obtê-las pelo site: https://tryon2018.com

Revista Horse
Deixe seu Recado