16-Ago-2019 11:37 - Atualizado em 16/08/2019 12:53
ESPECIAL PAN 2019

Menos de 24h após cirurgia, Ruy Fonseca acompanha batizado da filha

Cavaleiro medalha de Prata do Time Brasil de CCE passou por operação em Belo Horizonte e fará tratamento na Oaksey House, na Inglaterra

banners,
Banners

ruy fonseca, cross-country, cce, pan de lima 2019, 2019, imprensa, Reprodução de redes sociais
Ainda em Lima, Ruy Fonseca recebeu a medalha e o carinho da equipe de CCEReprodução de redes sociais

pan de lima 2019, 2019, imprensa,
PAN DE LIMA 2019
Passada a euforia das grandes conquistas do hipismo nacional no Pan 2019, o cavaleiro Ruy Fonseca continua o seu processo de recuperação do grave acidente que sofreu na prova de cross-country do Concurso Completo de Equitação (CCE). E o faz com a força de um grande guerreiro. Menos de 24 horas após sair da mesa de cirurgia, onde operou o ombro esquerdo, participou do batizado de sua filha Cecília, de seis meses, na companhia da esposa Renata e de familiares. “Muitos duvidaram de minha presença e até o cancelamento foi cogitado, mas na minha cabeça temos que ter metas e estar presente nesse dia tão importante já faz parte de minha força de vontade e determinação para uma recuperação breve”, disse à reportagem da Horse. “Foi um dia muito especial, cercado de familiares e grandes amigos. Um dia emocionante e de muita alegria”, destacou.

A cirurgia no ombro esquerdo de Ruy Fonseca durou cerca de três horas e meia e foi realizada na quinta-feira da semana passada (8/8), no Hospital Felício Rocho, em Belo Horizonte (MG), pelo doutor lldeu Almeida, um dos mais renomados médicos de Ombro e Cotovelos do Brasil, juntamente com o doutor Robinson Esteves. Ambos tiveram contatos direto com os médicos do Time Brasil, Mateus Saito, Breno Schorc e Roberto Nahon, que acompanharam o atleta desde a queda no Peru. O processo também contou com o apoio de médico Sérgio Costa, sogro do cavaleiro, que foi o responsável por toda a organização cirúrgica e seu acolhimento em Belo Horizonte. “Agradeço muito a ele e toda sua equipe no Hospital Felicio Rocho, que me receberam de braços abertos e com muito carinho”, disse o atleta.

Segundo Fonseca, o processo de recuperação começou logo após a queda em Lima (Peru) e seguirá um planejamento nas próximas semanas, com a retirada dos pontos e o início do tratamento fisioterápico. “Estou me exercitando levemente com caminhadas e alongamentos e bastante tratamento com gelo no ombro. Semana que vem tiro os pontos e já devo ter meu primeiro contato com especialistas em fisioterapia do Time Brasil em São Paulo ou Rio de Janeiro para coordenação de exercícios de recuperação/fisioterápicas”, explicou.

Menos de 24h após cirurgia,  Ruy Fonseca acompanha batizado da filha
1/4
Menos de 24h após cirurgia,  Ruy Fonseca acompanha batizado da filha
2/4
Menos de 24h após cirurgia,  Ruy Fonseca acompanha batizado da filha
3/4
Menos de 24h após cirurgia,  Ruy Fonseca acompanha batizado da filha
4/4
Após isso, o cavaleiro brasileiro deverá seguir o processo de recuperação na Inglaterra, no Oaksey House, em Lambourn, uma fundação da família real, considerada o maior centro de recuperação de jóqueis do pais (veja fotos ao lado). ”Em conjunto com os médicos do Brasil, que fizeram minha operação, especialistas do Time Brasil e Oaksey House, espero ter a melhor recuperação possível e, se Deus quiser, pretendo voltar às pistas para a temporada de inverno de CCE nos Indoors  Derby’s de Sttutgart, Paris, Stockholm, Geneve”, planeja o atleta, que tem como meta, a longo prazo, participar das Olimpíadas de Tóquio, começando com os processos de qualificações em fevereiro de 2020 em Portugal.

O acidente

O acidente sofrido pelo cavaleiro brasileiro Ruy Fonseca, com o castrado Ballypatrick, durante a prova de cross-country do Concurso Completo de Equitação (CCE), no sábado (3/8) ganhou repercussão mundial, em razão das imagens assustadoras da queda. Muito veículos chegaram a divulgar que o cavalo havia caído sobre o cavaleiro, o que de fato não ocorreu. Após sua montaria tropeçar em um dos obstáculos, Ruy foi projetado e caiu ao lado de seu cavalo, que, depois de atingir o chão, rolou sobre ele. “Foi um dos acidentes mais graves de minha carreira”, avaliou ele à reportagem da Horse, ainda em Lima (Peru), dois dias opós a queda (VEJA AQUI)

O tombo ocorreu no obstáculo 7, logo após a saída do lago Titicaca (6C), que tinha duas opções. Ruy foi pelo caminho mais curto, em vez de fazer a volta. Com apenas cerca de 3 metros entre o 6C e o 7, o cavalo bateu com as pernas na madeira, desequilibrando-se e projetando o cavaleiro. Ballypatrick rodou no ar e caiu de costas no chão, rolando sobre o cavaleiro, que também já estava no solo. Após alguns segundos, o cavalo se levantou e foi seguro pela equipe, enquanto Ruy Fonseca era prontamente atendido pela equipe de emergência. (LEIA MAIS AQUI).

Medalha de Prata

No Pan de Lima, Ruy Fonseca e Ballypatrick ajudaram o Time Brasil de CCE a conquistar a medalha de Prata e desejada qualificação para a Olimpíada de Tóquio 2020, juntamente com a equipe formada pelos conjuntos Marcelo Tosi/Starbucks, Rafael Losano/Fuiloda G e Carlos Parro/Quaikin Qurious, com Julie Purgly, como chefe de equipe, e Ademir de Oliveira, como técnico, e o veterinário Paulo Eduardo Limongi Pacheco. O conjunto Parro/Quaikin também conquistou a medalha de Bronze na disputa Individual. Veja como foi AQUI

Revista Horse/
Deixe seu Recado