02-Set-2019 10:35 - Atualizado em 02/09/2019 10:49
Falecimento

Morre seu Ivadi, um ícone do Campeiro

Criador teve participação importante no tropeirismo brasileiro e foi um dos principais incentivadores do "Marchador das Araucárias" 

banners,
Banners

         

campeiro, 2019, imprensa,
campeiro

Aos 96 anos, Ivadi Coninck de Almeida, ícone do cavalo Campeiro, faleceu em Curitibanos (SC), no dia 28 de agosto. Tropeiro de longas jornadas, foi ele quem descobriu a raça. Para muitos, além de idealizador, foi durante décadas um verdadeiro embaixador do Campeiro divulgando a raça em todo o Brasil.

          Dedicou sua vida a fomentar e principalmente melhorar o cavalo. E foi além: criou sua própria linhagem, uma autêntica fábrica de campeões. De sua propriedade saíram dezenas de animais premiados nas inúmeras exposições e eventos de que participaram. 

           Assim como sua cidade natal (Curitibanos), a vida de seu Ivadi esteve intimamente ligada ao tropeirismo. Seus ancestrais eram tropeiros de muares em Sorocaba (SP). Para facilitar as negociações, se fixaram em Curitibanos e começaram a selecionar os cavalos marchadores da região.

          Desde garoto, Ivadi já ajudava no trabalho de reunir os animais e na condução das tropas até Sorocaba (SP). Quando adulto, assumiu de vez o lugar do pai e se tornou um dos mais respeitados tropeiros. 

          Das muitas histórias que contava, falava do tempo em que os mantimentos eram transportados pelos muares em cargueiros. Seu avô tinha uma mercearia localizada no Alto Vale do Itajaí, onde atualmente é Rio do Sul, e era de lá que vinham muitos produtos essenciais para as famílias.

Criador da raça

                Quando campereava pela região em busca de animais marchadores, o tropeiro Ivadi descobriu alguns animais de marcha diferenciada, que não se enquadravam nos padrões morfológicos de nenhuma outra raça.  Eram os cavalos Campeiros.

       Nas exposições e eventos de que participava Brasil afora também não via em nenhum equino morfologia igual àqueles de sua região. Percebeu então que tinha em mãos uma raça diferente. Convidou alguns criadores vizinhos, dentre eles Lauro Costa, Ivens Ortigari, Acir de Almeida Gaudêncio e Osny Coninck Machado, fundaram uma Associação, com a finalidade de preservar a raça.

        Com recursos próprios e com a única finalidade de defesa e amparo deste patrimônio genético, nasceu em 1976 a Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Campeiro (ABRACCC). Com o apoio da Secretaria da Agricultura de Santa Catarina, a raça foi oficialzada pelo Ministério da Agricultura em 1985, tendo sido credenciado seu Livro de Registro “Herd Book” e se instituiu um Serviço de Registro Genealógico Oficial da Raça.

       Seu Ivadi deixa duas filhas, 8 netos, 9 bisnetos e uma tataraneta. A maior herança que deixa é a paixão  pela lida campeira e o amor pelo tradicionalismo regional. "Criamos e continuaremos criando essa raça, que faz parte da nossa vida", afirma a neta Geanice de Almeida Solano.

 

Revista Horse
Deixe seu Recado