10-Jan-2020 14:48 - Atualizado em 10/01/2020 15:00
Entrevista

O NOVO XERIFE DA ABQM

O empresário e criador Caco Auricchio fala sobre os desafios de comandar a associação do cavalo Quarto de Milha, uma das raças que mais cresce no Brasil

banners,
Banners

entrevista, edição 121, edições,
Entrevista
O empresário Carlos Eduardo Pedrosa Auricchio (Caco), de 49 anos, tem um desafio e tanto pela frente: comandar a Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM) para o biênio 2020/2021, uma das raças que mais cresce no Brasil. Atuante no segmento de mineração, pecuarista, criador de cavalo Quarto de Milha e dirigente de entidades da construção e mineração, o novo presidente planeja realizar a tarefa com o mesmo prazer que tem pelos cavalos.

Uma paixão, aliás, que vem do sangue de família. Natural de São José dos Campos, no interior de São Paulo, é filho de produtor rural e criador de cavalos Mangalarga. Caco não esconde, porém, que sua verdadeira paixão sempre foi o cavalo Quarto de Milha. Há quase 20 anos é competidor da modalidade de Laço Individual.

Nesta entrevista exclusiva à Revista Horse, Caco afirma que o trabalho da nova diretoria será focado em cinco pilares: sustentabilidade dos Esportes Equestres; valorização das premiações e fomento das provas; profissionalização e transparência da gestão da ABQM; ampliação da interação do Conselho de Administração com a diretoria executiva e ação social envolvendo a Equoterapia, Hospital do Amor, além da divulgação e incentivo a categoria Paratleta. Confira!

Como começou seu envolvimento com cavalos?

Meu pai era produtor rural e criador de cavalo Mangalarga. Cresci no meio dos cavalos, mas meu sonho e minha paixão sempre foram pelo Quarto de Milha.

E com a raça Quarto de Milha?

Sempre fui um apaixonado pela raça. Minha primeira aquisição foi em 1992, Quick Colt, com quem competi por dois anos nas provas de Enduro. Me tornei sócio da ABQM no ano 2000, quando comecei nas provas de Laço Individual.

Com qual modalidade está envolvido atualmente?

Investimos na raça com foco no Laço Individual, modalidade que acompanho e sou competidor há quase 20 anos

Como é sua atuação atualmente na criação?

Desde 2010, criamos Quarto de Milha na Fazenda Sapucaia, em Pindamonhangaba (SP), atualmente conta com um plantel de aproximadamente 120 animais, entre nacionais e importados.

Por que resolveu ser candidato à presidência da ABQM?

Um grupo de criadores, apaixonado pelo Quarto de Milha, se uniu com a intenção de trabalhar para melhorias em prol da raça. Digo que qualquer um dos 15 membros da Diretoria Executiva pode ser presidente e isso é extremamente vantajoso para a Associação.

Como foi o processo eleitoral? Você é oposição ou situação? Teve muita disputa?

Todo processo eleitoral passa por uma disputa, num modo geral. Posso dizer que a nossa foi extremamente respeitosa. O processo de votação foi realizado, pela primeira vez, totalmente de forma online. O resultado foi divulgado no dia 29/10, às 15h, após a Assembleia Geral Ordinária, realizada em São Paulo (SP). Foram apurados 1964 votos, dos quais 65,8% (1293) elegeram a chapa ‘ABQM Renovar & Inovar’. Assumimos a presidência da Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM) para o biênio 2019/2021.

Qual é o seu principal objetivo à frente da Associação?

Nosso objetivo, pois toda a Diretoria é atuante nas ações da entidade. Estamos focados em colocar em prática os cinco pilares trabalhados durante a campanha: sustentabilidade dos Esportes Equestres com segurança jurídica através da legislação específica; valorização das premiações e fomento das provas através de núcleos QM e Associações; profissionalização e transparência da gestão da ABQM; ampliar a interação do Conselho de Administração da ABQM com a Diretoria Executiva e ação social envolvendo a Equoterapia, Hospital do Amor, além da divulgação e incentivo à categoria paratleta.

O que acredita que será o seu maior desafio?

Nosso maior desafio é demonstrar a grandeza e importância da raça Quarto de Milha e dar a ela os créditos e reconhecimentos verdadeiros e merecidos.

O que a comunidade quartista pode esperar de novidades?

As novidades virão no início do ano que vem, depois que todas as ações estruturantes já estiverem consolidadas. Dentre os trabalhos em andamento, o esporte é um dos pontos importantes, para o qual buscaremos todos os benefícios possíveis para melhorarmos as condições das provas e premiações.

Sempre houve muita polêmica sobre as cidades-sedes dos grandes eventos da ABQM. Como planeja lidar com isso?

O espaço construído em Araçatuba é impressionante e enriqueceu ainda mais a região. Temos um contrato firmado por 20 eventos e vamos cumprir, melhorando ainda mais a cada ano. No entanto, nesse início de gestão, nossa prioridade será identificar e ajustar os pontos falhos, se houver, e saná-los. Nossa ideia é não focar apenas numa região, mas fomentar a realização dos Esportes Equestres em várias cidades pelo país.

Qual o legado que pretende deixar de sua gestão?

Ainda estamos no início dos trabalhos, mas nosso desejo é que possamos ter uma Associação mais justa, organizada, transparente, equilibrada, sadia e que seja boa para todos.

O Quarto de Milha é uma das raças que mais cresce no Brasil. Há espaço para crescer ainda mais?

Sim! Quando o setor cresce e se fortalece, toda a cadeia que o permeia cresce junto. Prova disso é que, em 2018, a venda de animais da raça, em 232 leilões, rendeu mais de R$ 253,3 milhões, contra R$ 225,7 milhões, em 2017. Foram comercializados 6.127 animais nas cinco regiões do país, proporcionando a média geral de R$ 41,3 mil. Esse mercado é responsável ainda por 3 milhões de postos de trabalho (dados retirados de levantamento feito pelo DEAGRO da FIESP).

Em qual modalidade o QM tem mais necessidade de investimentos?

Cada modalidade tem sua especificidade e entendemos que todas merecem um investimento adequado à sua realidade. Além disso, existem modalidades que precisam ser incentivadas.

Como vê o mercado equestre nacional de forma geral?

O mercado do cavalo segue em crescimento. É importante lembrar que os Esportes Equestres são uma das várias etapas que compõe essa indústria. Segundo o MAPA, o setor avança 12% ao ano e alcança faturamento total de R$ 16 bilhões. Numa velocidade ainda maior, crescem os negócios do cavalo Quarto de Milha. Só a cadeia produtiva da maior raça equina do país movimenta cerca de 6 bilhões todos os anos.

Tem acompanhado o problema do Mormo?

O Mormo é um ponto de atenção das nossas ações, estamos estudando as melhoras práticas para conduzir esse assunto e merece o envolvimento e união da cadeia produtiva da Equinocultura.

Revista Horse
Caco Auricchio

Caco Auricchio

O empresário e criador Caco Auricchio fala sobre os desafios de comandar a associação do cavalo Quarto de Milha, uma das raças que mais cresce no Brasil

Deixe seu Recado