18-Set-2020 11:22 - Atualizado em 18/09/2020 11:58
Análise

Os impactos econômicos do Mormo

Estudo sobre Anemia Infecciosa e Mormo tem um grande desafio e pode direcionar políticas públicas no segmento. Para o bem ou para o mal

horse, 2020, banners,
Horse

Um novo estudo encontra-se em andamento e poderá ser um grande avanço para equideocultura. Talvez não pelos seus resultados, mas por seus efeitos colaterais. A frase soa estranha, mas espera-se esclarecer nos próximos parágrafos. Antes, é necessário comentar sobre qual estudo está em desenvolvimento.

Com apoio do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), está sendo proposto avaliar a efetividade do Programa Nacional de Sanidade dos Equídeos (PNSE), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), em relação ao Mormo e a Anemia Infecciosa Equina (AIE). Espera-se que os resultados desse estudo permitam desenvolvimento de políticas públicas. Missão nobre e fundamental para o desenvolvimento da equideocultura brasileira, que tem sofrido tanto com Anemia Infecciosa Equina (AIE) quanto com o Mormo, mas acompanhada de grandes desafios. Neste artigo o foco será nos desafios da avaliação econômica dos impactos do Mormo.

O primeiro grande desafio está do dimensionamento do universo da pesquisa: a tropa brasileira. Embora o edital do IICA referente à concorrência 015-2020, que originou a contratação do estudo, afirme que há 6,5 milhões de equídeos (equinos, asininos e muares) no Brasil, esse número está longe de ser uma certeza. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é o responsável pelos dois principais levantamentos do efetivo de animais no Brasil: o censo Agropecuário e a Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM). 

De acordo com o último Censo realizado pelo IBGE, em 31/12/2017 havia, no Brasil, 4.236.062 equinos, 376.874 asininos e 615.498 muares. Portanto, um total de 5.228.434 de equídeos. Esse total é muito inferior aos 6,5 milhões de animais citados no edital. É verdade que o Censo Agropecuário do IBGE subestima o número de equinos. Se a metodologia do IBGE é adequada para bovinos, para equídeos deixa muito a desejar. Diferentemente de bovinos, há equinos em propriedades com apenas um animal e em áreas urbanas. O Censo Agropecuária não capta esses números. Por exemplo, segundo o Censo Agropecuário não existe equinos na Baixada Santista, onde há, inclusive haras e até mesmo um Jockey Club. Mas essa subestimativa não deve atingir a casa de milhão de animais para se aproximar dos citados 6,5 milhões.

Continue Lendo...

Revista Horse 125
Assinante, clique aqui para ler mais sobre este assunto na versão digital da Revista Horse.Se você ainda não é assinante, clique aqui e faça agora mesmo sua assinatura.O jornalismo de qualidade tem o seu valor. Pretigie a mais tradicional publicação equestre do Brasil!
Roberto Arruda

Roberto Arruda


é professor e pesquisador da Esalq/USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz)
e-mail:[email protected]

Deixe seu Recado