08-Ago-2019 08:40 - Atualizado em 08/08/2019 13:01
ESPECIAL PAN 2019

Time Brasil de Salto é Ouro

Veja como foi a conquista conduzida pelos cavaleiros Marlon Zanotelli, Pedro Veniss, Rodrigo Lambre e Eduardo Menezes (foto), com o hexa Ouros em Pans

pan de lima 2019, 2019, imprensa,
PAN DE LIMA 2019

final, salto, pan de lima 2019, hipismo, Fagner Almeida/Revista Horse
Time Brasil, no pódio de Ouro, com as equipes do México, Prata, e EUA, BronzeFagner Almeida/Revista Horse

pan de lima 2019, 2019, imprensa,
PAN DE LIMA 2019
O Time Brasil de Salto conquistou, na tarde de quarta-feira (7/8), a medalha de Ouro nos jogos Pan-americanos 2019, em Lima, no Peru. Na prova final na pista da Escola de Equitação do Exército de La Molina, os conjuntos formados por Pedro Veniss/Quabri de L’isle, Rodrigo Lambre/Chacciama, Marlon Zanotelli/Sirene de La Motte e Eduardo Menezes/H5 Chaganus fecharam o circuito com obstáculos de 1,60, armados pelo brasileiro Guilherme Jorge, com 12,39 pontos de penalização (pp), ficando à frente do México, com 22,97 (pp), medalha de Prata, e Estados Unidos, com 23,09 (pp), medalha de Prata. Canadá ficou com a quarta colocação, com 30,21 pp. Com o Ouro, o Brasil também garantiu a desejada vaga para a Olimpíada de Tóquio, em 2020, no Japão.

Os cavaleiros brasileiros chegaram a Lima sob o comando do técnico suíço Philippe Gerdat, campeão com a França na Rio 2016, e o chefe de equipe Pedro Paulo Lacerda, justamente com a missão de buscar a vaga olímpica. Precisavam de pelo menos uma medalha de Bronze, ou até um quarto lugar, caso os EUA, já qualificados com o Ouro dos Jogos Equestres Mundiais (WEG) de 2018, conseguissem um pódio. Com conjuntos experientes que atuam na Europa, o Time de Salto sabia que poderia brigar pelo Ouro, superando os principais adversários: EUA, Canadá e México.

Antes do início das provas, na tarde de domingo (4/8), uma preocupação inesperada. Na primeira Inspeção Veterinária dos animais, a égua de Rodrigo Lambre, Chacciama, ficou com suspeita de claudicação e foi solicitada uma revisão. Criou-se a expectativa de que poderia ser acionado o conjunto reserva, com Luiz Felipe de Azevedo Filho/Hermes van de Vrombautshoeve. No dia seguinte, segunda-feira (6/8), entretanto, tudo certo com Chacciama, liberada para a competição. Talvez um excesso de zelo, já que 14 animais também tiveram que passar pela revisão, e todos foram liberados.

Logo no primeiro dia de prova, na terça-feira, 6/8, os conjuntos brasileiros mostram que vinham com força. Todos fizeram a primeira passada na pista de 1,50 m sem nenhuma falta, mesmo assim terminaram o dia em segundo lugar, com 3,39 pontos de penalização, pouco atrás dos EUA, com 2,09. Na zona mista da pista de provas de La Molina, os cavaleiros comentaram as performances com a Horse (Veja AQUI). Todos afirmaram que o objetivo principal era a vaga olímpica para Tóquio 2020.

No segundo dia de provas, dividido em duas etapas que definiriam o pódio por equipes, o Brasil começou bem.  Na primeira passada, realizada na parte da manhã de quarta-feira (7/8), os conjuntos brasileiros fizeram boas apresentações na armação de 1,60 de Guilherme Jorge, somando 7,39 pp, contra 10,09 dos EUA. Com isso, reverteu a vantagem norte-americana e assumiu a ponta com 2,70 à frente.

No período da tarde, a grande final das disputas por equipe. O primeiro a entrar em pista foi Marlon Zanotelli/Sirene de La Motte, fazendo apenas uma falta. Depois foi a vez de Eduardo Menezes/H5 Chaganus, que cometeu duas faltas. Abriu-se um clima de expectativa para a passagens dos dois últimos conjuntos brasileiros e norte-americanos. Foi então que Rodrigo Lambre/Chacciama fez pista limpa e, logo na sequência, Eve Jobs/Venue d ‘Frees des Hazalles (filha de Steve Jobs), cometeu duas faltas.

Todas as atenções voltaram-se para a passagem de Elizabeth Madden/Breitling LG, conjunto campeão mundial. Acabou cometendo duas faltas. Quando Pedro Vennis/ Quabri de L’lsle entrou em pista para encerrar a prova, o Time Brasil já tinha a medalha de Ouro garantida. Fechou com chave de ouro, com mais uma pista lima, sua terceira em Lima, garantindo o primeiro lugar na colocação individual e levantando a torcida nas arquibancadas. A plateia de La Molina ouviu pela primeira vez o Hino Nacional com os brasileiros no lugar mais alto do pódio. A organização da prova chegou a divulgar os EUA como medalha de Prata e México com o Bronze, resultado que foi contestado e corrigido minutos depois, confirmando México com a Prata e EUA com o Bronze.  

Com a conquista do Ouro do Time de Salto, o Brasil já soma quatro medalhas no Pan-americano de Lima, com todas as modalidades qualificadas para a Olimpíada de Tóquio. Ganhou Bronze no Adestramento por equipe e Prata por equipe no Concurso Completo de Equitação (CCE), modalidade na qual o cavaleiro Carlos Parro/Quaikin Qurious subiu ao pódio para receber a medalha de Bronze! Nada mal para os times que definiram como objetivo principal do Pan a busca pela vaga olímpica.

O hexa e o fim do jejum 

O Time Brasil de Salto não conquistava uma medalha em Pan-americanos desde 2007, realizado no Rio de Janeiro,e agora soma seis pódios de Ouro. Antes disso, foi campeão nos Pans em 1967 e 199 , no Canadá, 1991 em Cuba, 1995 na Argentina. As duas medalhas de Prata por equipes foram conquistadas em 1959, em Chicago, EUA, e em 2011, em Guadalajara, México. O único Bronze foi em 2003, em Santo Domingo. Além do Brasil, somente os EUA detêm o seis títulos de Ouro.

Final Individual

O Brasil ainda tem mais chances de medalhas no Pan 2019. Na sexta-feira, 9/8, Pedro Veniss/Quabri de L’isle, Rodrigo Lambre/Chacciama e Marlon Zanotelli/Sirene disputam o pódio Individual com os 35 melhores conjuntos classificados. O cavaleiro Eduardo Menezes/H5 Chaganus, em 16º na classificação geral, também poderia estar no páreo, mas a regra permite apenas três conjuntos de cada país.

VEJA ABAIXO AS ENTREVISTAS DO CAVALEIROS BRASILEIROS À HORSE NA ZONA MISTA

 

VEJA ABAIXO OS NÚMEROS FINAS DAS PROVAS

Campeão Brasil - 12,39 pp (1º dia: 3,39 + 1ª volta: 4 + 2ª volta: 5) 
Marlon Modolo Zanotelli / Sirene de La Motte - 4/0 
Eduardo Menezes / H5 Chaganus - (8)/(8)
Rodrigo Lambre / Chacciama - 4/0
Pedro Veniss / Quabri de L'Isle - 0/0 
Técnico: Philippe Guerdat 
Chefe de equipe: Pedro Paulo Lacerda
Veterinário: Rogério Saito

México - Prata: 22,97 pp (1º dia: 6,97 + 1ª volta: 4 + 2ª volta: 12)
Enrique Gonzelez / Chacna - 0/12 - 14,08 pp
Eugenio Garza Perez / Armani SI Z - 4/0 - 9,5 pp 
Lorenza O Farrill / Queens Darling - 0/(16) - 20,6 pp 
Patricio Pasquel / Babel - (8)/0 - 8,29 pp

EUA - Bronze:  23,09 pp - (1º dia: 2,09 pp + 1ª volta: 8 + 2ª volta: 13)
Alex Granato / Carlchen W - (16)/5 - 21,02 pp 
Lucy Deslauriers / Hester - 8/0 - 9,32 pp
Eve Jobs / Venue d´ Fees des Hazalles - 0/8 - 9,17 pp 
Elizabeth Madden / Breitling LS - 0/(8) - 8 pp

A reportagem da Revista Horse acompanha todos os detalhes da participação brasileira no pan-americano de Lima, no Peru, com postagem de textos, fotos e vídeos de entrevistas nas redes socias do @revistahorse.

 

Revista Horse/Fosot Fagner Almeida
Deixe seu Recado