28-Jul-2008 10:41 - Atualizado em 11/07/2016 12:03

Treino de aquecimento

Seja em corridas ou no trabalho do dia-a-dia no rancho ou haras, o cavalo tem sempre sua musculatura muito exigida, e contusões, invariavelmente parecem ser inevitáveis. Ledo engano. Simples e rápidos exercícios de alongamento antes e até mesmo após as atividades podem prevenir uma série de problemas físicos no animal. A técnica é recomendada antes dos exercícios de aquecimento e consiste em “esticar” ao máximo possível músculos, tendões e os tecidos ao seu redor.    

O alongamento, além de prevenir contusões, traz maior flexibilidade e, como conseqüência, maior amplitude no movimento das articulações do animal. Para os cavalos de lazer, o resultado são passadas mais largas e menor desgaste físico. “O alongamento pode ser feito pelo próprio dono do animal, deixando a contração muscular mais eficiente. Nos cavalos-atleta auxilia e muito na prevenção de contraturas”,  afirma a veterinária Solange Mikail.

A técnica é utilizada ainda na recuperação de animais lesionados. Os movimentos ajudam, por exemplo, a aliviar dores causadas por possíveis contraturas na fascia do eqüino. Em relação ao músculo contundido, evita a formação de aderências nos tecidos vizinhos diminuindo, inclusive, o tempo de recuperação do “atleta”.

Quando fazer
O alongamento deve ser feito sempre que o animal estiver calmo e relaxado. Isso pode ocorrer quando retirado do pasto ou baia. Mas fique atento. A tranqüilidade do animal é requisito necessário para o sucesso da técnica, uma vez que, os exercícios não podem em momento algum provocar dor. Se isso ocorrer, todo o trabalho feito poderá ser perdido.

 Evitar desconforto muscular deve ser levado em conta principalmente quando a técnica é algo novo para o animal. Nestes casos, a introdução dos exercícios devem ser feitos após o cavalo ter feitos suas atividades diárias e de preferência antes de ir à ducha. O motivo está no fato da musculatura estar aquecida e relaxada o que facilita o alongamento. 

 A sensibilidade do proprietário deve estar atenta ainda ao estado psicológico do animal no ato do alongamento. Caso o cavalo esteja ansioso para correr e se movimentar, o melhor a fazer é esperar seu relaxamento. Nesta situação, certamente os músculos estarão enrijecidos, e o animal fará força contrária ao movimento e colocar todo o trabalho a perder. Mesmo depois de relaxado, o proprietário notar alguma dificuldade em alongar o membro, deve ficar atento à presença de uma possível lesão no local. Flexibilidade perdida é sinal de dor. Sinal de que algo não vai bem e instinto de autopreservação que restringe à movimentação próxima à área lesada para evitar mais dor.

 De acordo com a veterinária, de seis a 10 segundos é tempo que cada membro deve ser alongado. Como os cavalos desempenham tarefas diferentes, a ênfase é dada à parte física mais exigida no seu cotidiano. Os cavalos de provas, por exemplo, devem ter os membros exercitados para frente e para trás com freqüência. Para os eqüinos de adestramento, em razão dos excessivos movimentos laterais, deve ser incluído o alongamento da lateral dos membros. Qualquer que seja o exercício, sua pratica deve ser feito com delicadeza e sem forçar o animal.   Isso vale para quando o músculo for esticado, solto ou mesmo colocado ao chão. Tudo deve ser feito com jeito e paciência. 

 Cuidados

A técnica de alongamento, por não seja complexa pode ser feita pelo proprietário do cavalo, porém algumas precauções devem ser tomadas. A primeira delas e não alongar um músculo estirado ou com muita dor. Outra dica é evitar pressão excessiva nas articulações. Ou seja, elas devem ser dobradas somente até a amplitude natural, principalmente nas primeiras sessões, pois pode provocar rupturas microscópicas nos tecidos e levar à fibrose. O resultado pode ser drástico com a perda da elasticidade nas articulações do animal, gerar uma situação contrária à proposta do exercício. 

Caso o intuito seja trabalhar o cavalo com manobras mais específicas e complexas, é aconselhável o auxílio de especialistas no assunto como médico veterinário especializado em fisioterapia ou quiropraxia. Cuidados devem ser tomados ainda quando o exercício de alongamento for feito nos membros posteriores em razão da iminente possibilidade de um coice. A área quando trabalhada, deve ser flexionada por meio do casco ou boleto. Em nenhum momento a quartela do animal não deve ser tocada por se tratar de uma região e flexível, que pode eventualmente espremer a mão do profissional.     

 Passo-a-passo: É aconselhável os movimentos abaixo serem repetido três vezes.

Para a região cervical:

Com a ajuda de uma cenoura ou capim, incentive o animal a pegar o alimento posicionando-o abaixo (foto1).

Para um lado (foto 2) e em seguida para o lado oposto.

Para cima (foto 3)

Para os membros anteriores:

O membro pode ser levado à frente (foto)

Para trás (foto)

Flexionado

Para os membros posteriores:

Levar o membro à frente

Ao lado

Atrás

Para coluna:

Pode ser movimentada:

Para cima (foto)

Para baixo (foto)

Para o lado (foto)

Deixe seu Recado