Tire suas Dúvidas

Envie sua pergunta

Existem campos que requerem sua atenção!
Enviando...
Enviada com sucesso !!! Obrigado por enviar sua pergunta. Em breve enviaremos uma resposta.

Resposta

Tenho um cavalo de 5 anos e eu não consigo andar nele sem estar amadrinhado, Começa muito bem, de repente oma rédea e sobe barranco, apruma e então eu tenho que retornar para o meu terreno. Uso um bridão tipo D. O que você pode me recomendar, e o que fazer?

Moisés Flores
19 de Julho de 2018 - 15:53

Pelo seu relato, parece que a dificuldade maior é porque seu cavalo foi mal iniciado. Parece-me ter menos relação com a embocadura. Você já observou se ele faz isso só com você ou com outros cavaleiros? O fato de fazer direito o que é solicitado, quando está amadrinhado, é porque precisa de mais apoio para confiar.
Os cavalos aprendem no alívio da pressão (o certo e o errado) e se você alivia na hora que está fazendo algo errado, vai entender que é isso que você espera dele. Basta ele tentar tomar a rédea e barranquear que ele obtém o que de você? Alívio e volta para casa.
Isso precisa mudar. Se você monta pensando que isso vai acontecer, essa tensão no seu corpo é percebida pelo cavalo e ele vai amplificar, afinal ele tem 400 kg e como diz o ditado, “Cavalo é espelho do cavaleiro”. E pode estender isso também ao tratador, do treinador etc.
O cavaleiro tem de liderar o cavalo, isso significa, na linguagem do cavalo, ser alfa, merecer liderar, e ele tem de confiar em você. Sugiro que você melhore a comunicação com ele no trabalho montado, seu trabalho de pernas. Você também pode melhorar e refinar a sua relação com o cavalo a partir do chão. A parti daí, sair com determinação, olho no horizonte, e não na cabeça do cavalo, pois ele fica esperando que hora você vai se contrair para assumir o controle da situação.
Então, você pode se antecipar a ele, respirar profundamente diversas vezes, dissipar a adrenalina e a tensão, e quando você imagina que está se aproximando o local onde ele “dá novidade”, então coloca mais a perna, aperta e empurra adiante, sem pressionar demais a rédea. Deixe ele mais solto e focalize o horizonte. Só fique atento para para não confundir ser firme com usar aspereza ou violência. Mostre a ele o limite.

Se com tudo isso ele ainda quiser voltar, rode ele novamente e o empurre adiante. Aliviar na hora errada, algumas vezes, é o suficiente para que ela saiba que é isso que você espera que faça.

Num piquete ou redondel, existe uma série de exercícios de arena que vocês podem fazer juntos. É importante reconstruir a confiança entre o conjunto. Entre os exercícios, estão: ceder a paleta, ceder a nuca, flexão dos posteriores, engajamento, reunião e regularidade. Todos podem ser feitos primeiro do chão e depois montado.

Ir à rua, usufruir da relação com seu cavalo não é apenas montar e ir adiante. É um longo e prazeroso processo de aprendizagem, confiança e cooperação. Cavalos também falam muito sobre nós mesmos, sobre limites, noção de si mesmo, clareza na comunicação. Não se deve, por exemplo, comunicar algo com as mãos (contenção) e outra coisa diferente da anterior com pernas ou tensão no corpo. Há um sincronismo entre cavalo e cavaleiro. Rédeas, embocaduras e pernas são instrumentos de comunicação, não de pressão nem de contenção. Espero que estas informações façam sentido para você. Seguimos à disposição.
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 José Luiz Jorge é autor do livro “Falando Sobre Cavalos” e proprietário do Rancho São Miguel, em Mogi das Cruzes (SP) E-mail: [email protected]

 

Voltar